Notícias

15ª Fest Aruanda realiza pela primeira vez edição online, divulga longas-metragens selecionados e novidades da edição comemorativa dos 15 anos

15ª Fest Aruanda realiza pela primeira vez edição online, divulga longas-metragens selecionados e novidades da edição comemorativa dos 15 anos

Foram selecionados sete longas, sendo todos documentários para Mostra Competitiva Nacional

 

Mostras competitivas receberão prêmio em dinheiro pela primeira vez

Homenagens Póstumas Wills (Historiador e Escritor) Leal e Linduarte Noronha (Cineasta)

Homenagens nacionais a José Maria Lopes e Helena Solberg

Homenagens locais a João Carlos Beltrão e Vania Perazzo

Debates com realizadores

Mesas com Luiz Carlos Barreto (Barretão) sobre ‘Aruanda’

 

A realidade imposta pela covid-19, com os cinemas fechados ou ainda com muitas restrições, levou os eventos audiovisuais para a internet e esses foram os fatores que também levaram o diretor executivo do Fest Aruanda, Lúcio Vilar, a repensar procedimentos para a edição comemorativa dos 15 anos e dos 60 anos do filme que dá nome ao evento (‘Aruanda’, 1960). Por fim, prevaleceu a “sensatez e a prudência”, como ele enfatiza para a decisão final de realização em formato híbrido (presencial e on line).

 

Assim, serão duas sessões presenciais, respeitando todos os protocolos sanitários já seguidos pela rede Cinépolis, no Brasil, com metade da lotação da sala, uso de máscaras, etc. Sessão de abertura (dia 10 de dez) e de encerramento (dia 16 de dez) com exibições respectivas dos longas documentais ‘Os Quatro Paralamas’, de Roberto Berliner e ‘Me Chama Que Eu Vou’, de Joana Mariani.

 

As demais sessões a partir do dia 11 até 16 de dezembro serão totalmente on line, através de uma plataforma elaborada pela empresa Nuvem, de Curitiba-PR. A linha curatorial do festival, assinada pelo jornalista Amilton Pinheiro (paraibano radicado em São Paulo), “transita, esse ano, por temas que estão na ordem do dia, no Brasil, como as questões indígenas, pautas identitárias, raciais, intolerância, ditadura militar e suas implicações nos anos 70 e o país, hoje, em turbulência com ameaças à sua jovem democracia”, apontou Vilar.

 

Como sempre, a programação está distribuída entre curtas e longas das mostras Competitiva Nacional e Sob o Céu Nordestino, somando 42 filmes que poderão ser acessados a partir do site www.festaruanda.com.br para todo o Brasil e o mundo.

Durante o Festival as manhãs sempre serão dedicadas com os debates dos filmes exibidos na noite anterior com os representantes de cada filme e com mediação do curador e diretor artístico do Fest Aruanda, Amilton Pinheiro. Curta metragens, sempre às 9 horas (Diálogos Audiovisuais Aruanda-Cagepa I)

Os longas também terão debates com os representantes de cada filme e com mediação do jornalista e crítico de cinema Marcus Mello (Diálogos Audiovisuais Aruanda-Cagepa II).

 

A critica de cinema e moderadora de debates do Fest Aruanda, Maria do Rosário Caetano vai estar em 4 mesas discutindo diversos assuntos: Cinema Negro e o racismo no Brasil; A permanência de Aruanda – 60 anos depois, Fronteiras e bifurcações do cinema não ficção na contemporaneidade: Entre narrativas e novas linguagens e uma última mesa com as homenageadas Helena Solberg e Vania Perazzo.

 

Com Patrocínio do Grupo Energisa, Fundação Cultural OJB, CAGEPA, Lei de Incentivo à Cultura, Secretaria Especial de Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal; Copatrocínio: Armazém Paraíba e Cinépolis; Apoio Cultural:   e Armazém Paraíba; Apoio: TV Cabo Branco, TV Cultura, Governo da Paraíba, FUNESC, Rádio Tabajara, A União e EPC;  Apoio Institucional: UFPB,CCHLA, DEMID, Prefeitura de João Pessoa e FUNJOPE e Parcerias:  Lusófona, Manaíra Shopping, Fórum Setorial do Audiovisual Paraibano, Janela7, Canal Brasil, TV UFPB e Realização da Bolandeira, o 15º Fest-Aruanda do Audiovisual Brasileiro, agradece este ano um número recorde de inscrições que surpreendeu sua organização. Foram 665 filmes inscritos, entre curtas de ficção, documentário e animação, além das categorias de TV Universitária, de todo o Brasil.

Toda programação pode ser conferida pelo site que contém diversas atividades entre os dias 10 e 17 de dezembro. Edição comemorativa de 15 anos completas de novidades.

 

Os filmes de longa-metragens selecionados:

 

Filmes de Abertura e Enceramento do Fest Aruanda

Abertura – 19hs

10/12

CurtaAruanda, de Linduarte Noronha  (Doc., 1960, PB, 22min.).

Sinopse: ‘Aruanda’ é um marco do cinema brasileiro dos anos 1960. O filme, de Linduarte Noronha, rodado em solo paraibano, surpreendeu as platéias do Rio de Janeiro e São Paulo quando de suas primeiras exibições. A história da formação e da sobrevivência de uma comunidade de escravos libertos do sertão da Paraíba aparecia na tela com imagens, a um só tempo, líricas e rudes. Um narrador (o próprio Linduarte) explicava a saga daquela gente enquanto a fotografia de Rucker Vieira revelava um jeito novo de olhar e de filmar o Brasil. Glauber Rocha resumiu ao afirmar que o filme, junto com ‘Arraial do Cabo’, eram os legítimos representantes do “moderno documentário brasileiro”.

 

Longa - Os Quatro Paralamas, de Roberto Berliner (Doc., 2020, RJ, 138 min.).

Sinopse: Desde o início no Circo Voador, nos anos 1980, se passaram mais quase 40 anos do surgimento da banda Os Paralamas do Sucesso. Herbert, Bi e João falam de amizade, de musicalidade e do que continua os unindo.

 

Encerramento - 20hs

16/12

 

Curta - Zuza Homem de Mello, de Jorge Bodanzky (Doc., 2015,SP, 16,im.)

Sinopse: Zuza Homem de Mello abre as portas de sua casa para compartilhar parte de sua história com a música. Apresentando a sua coleção de vinis e cds, Zuza relembra os primeiros anos vivendo em Nova York, quando conheceu nomes expressivos do Jazz. Passando por diferentes gêneros e estilos musicais, ele relembra as histórias de sua trajetória como jornalista musical.

 

Longa - Me Chama Que Vou, de Joana Mariani (Doc., 2020,SP, 71min.)

Sinopse: O documentário conta a trajetória dos 50 anos de carreira de Sidney Magal. Os momentos mais significativos da vida do cantor, dançarino, ator e dublador que se tornou um ícone da música popular brasileira. O homem por trás do ídolo, sob o ponto de vista dos próprios participantes da história.

 

Longas da Mostra Competitiva Nacional

 

Chico Rei Entre Nós, de Joyce Prado (Doc., 2020, SP, 95 min)

Sinopse: Chico Rei foi um rei congolês escravizado que libertou a si e aos seus súditos durante o Ciclo de Ouro em Minas Gerais. Sua história é o ponto de partida para explorar os diversos ecos da escravidão brasileira na vida das pessoas negras e da sociedade de hoje, entendendo seu movimento de autoafirmação e liberdade a partir de uma perspectiva coletiva.  

 

 

Codinome Clemente, de Isa Albuquerque (Doc, 2019, RJ, 99 min)

Sinopse: Entre conversas, memórias e reconstituições, Codinome Clemente registra os encontros da diretora Isa Albuquerque com Carlos Eugênio Paz, ex-militante da luta armada contra a ditadura militar nos anos 1960 e 70. Sob a alcunha de “Clemente”, Carlos Eugênio integrou a ALN (Aliança Libertadora Nacional), participou de inúmeras ações urbanas e, neste documentário, relembra toda a sua trajetória na clandestinidade. O filme inclui ainda depoimentos de antigos companheiros e imagens de arquivo que ajudam a resgatar um personagem controverso e um momento conturbado na história brasileira.

 

 

Glauber, Claro, de César Augusto Meneghetti (Doc., 2020, SP, 80 min)

Sinopse: O documentário Glauber, Claro, explora os anos de exílio, na Itália, do cineasta Glauber Rocha, entre 1970 e 1976. Através de memórias de parentes, amigos e colaboradores, o longa retratra o drama vivido por Glauber na época, revisitando, também, seu último filme; Claro (1975), gravado em Roma

 

 

 

Libelu - Abaixo a Ditadura, de Diógenes Muniz (Doc., 2020, SP, 95min.)

Sinopse: Liberdade e Luta foi uma tendência estudantil universitária surgida em 1976. Impulsionado por uma organização clandestina internacionalista, o grupo ganhou fama ao retomar a palavra de ordem “abaixo a ditadura”. Seus integrantes eram famosos pela irreverência e abertura cultural. Entre os anos 1970 e 1980, Libelu se tornou adjetivo, sinônimo de radicalidade e, para adversários, inconsequência política. Passadas quatro décadas, onde estão e o que pensam os jovens trotskistas que foram às ruas contra os generais?

 

 

Nheengatu - A Língua da Amazônia, de José Barahona (Doc., 2020, Brasil/Portugal, 114 min.)

Sinopse: Ao longo de uma viagem no alto Rio Negro, na Amazônia profunda, o diretor busca uma língua imposta aos índios pelos antigos colonizadores. Através desta língua misturada, o Nheengatu, e dividindo a filmagem com a população local, o filme se constrói no encontro de dois mundos.

 

Tentehar - Arquitetura do Sensível, de Paloma Rocha e Luís Abramo (Doc., 2020, DF, 89 min.)

Sinopse: Durante o processo da eleição presidencial no Brasil, o filme investiga as seguintes questões: Vivemos uma crise civilizatória e do ponto de vista político o que restará de nós com os direitos humanos reduzidos pela miséria e o abandono? diante dos desastres ambientais e genocídios: quem são os civilizados? quem são os selvagens?

 

 Todas as Melodias, de arco Abujamra (Doc., 2020, RJ, 80 min)

Sinopse: "Todas as Melodias" é um percurso sensível pela vida e obra de um dos maiores artistas da música nacional, Luiz Melodia. Com registros desde os anos 70, o filme apresenta sua trajetória da juventude no morro do Estácio até a consagração como poeta.

 

Longas da Mostra Competitiva Sob O Céu Nordestino

 

A Jangada de Welles, de Firmino Holanda, Petrus Cariry (Doc., 2019, CE, 75 min.)

Sinopse: O jangadeiro Manuel Jacaré foi tragado pelo mar quando Orson Welles filmava It`s All True, em 1942. O fato evoca memórias da ditadura do Estado Novo, da Segunda Guerra, da luta de pescadores cearenses por direitos trabalhistas e por moradia no seu espaço tradicional - alvo de especulação imobiliária.

 

Aponta Pra Fé - Ou Todas as Músicas da Minha Vida, de Kalyne Almeida(Fic., 2020, PB, 71min.)

Sinopse: Martha é uma jovem estudante universitária que mora no Porto do Capim, comunidade situada no Varadouro, ao pé do Rio Sanhauá, no centro de João Pessoa - onde a cidade nasceu. Cuida da casa e da associação das mulheres. Casada com Tiago, ex-pescador e, agora, trabalhador da construção civil no bairro do Altiplano e que sonha em ter uma vida melhor. Pais da pequena Ester, a vida do casal toma novos rumos diante do impasse entre os moradores do Porto do Capim e a prefeitura da cidade, que busca retirar a comunidade daquele local. Guardando um segredo que o corrói e os angustiam, o casal vai aos poucos se afastando, embora exista amor e afeto entre os dois.

 

As Órbitas da Água, de Frederico Machado (Ficção, 2020, MA,  71min)

Sinopse: Parte final da Trilogia Dantesca composta também pelos filmes O Exercício do Caos e O Signo das Tetas. Um casal de forasteiros chega a uma vila de pescadores afastada do mundo, trazendo dor a vida dos moradores e rememorando o passado da família, que estava esquecido nas águas.

 

Kink Kong en Asunción, de Camilo Cavalcante (Fic., 2020, PE,  90 min)

Sinopse: Um velho matador de aluguel está escondido no interior da Bolívia, na região desértica do Salar de Uyuni. Acabou de cometer o seu último assassinato. Após meses isolado, ele viaja para o interior do Paraguay onde recebe uma boa recompensa e segue para Asunción com o objetivo de encontrar a sua única filha, a qual nunca conheceu. Esta viagem por dentro de si mesmo, seguido apenas por sua fiel companheira, a morte, acaba despertando instintos primários no velho matador, que explode em fúria e desespero pelas ruas da capital paraguaia em busca de afeto, como o King Kong aturdido em New York.

 

Swingueira, de Bruno Xavier, Roger Pires, Yargo Gurjão e Felipe de Paula (Doc., 2020, CE, 85min.)

Sinopse: Nas periferias do Nordeste do Brasil, a swingueira movimenta a juventude. Quatro jovens disputam um campeonato de dança enquanto tentam sobreviver. A dança, a música e a arte se misturam com a falta de dinheiro, as condições precárias de moradia e os problemas da vida. Uma cultura quase invisível, mas cultivada por milhares de pessoas. Quem vai ser campeão? Quem vai sobreviver?

 

Comitê de Seleção dos Curtas da Mostra Nacional:
Amilton Pinheiro (Presidente do Comitê e curador do Fest Aruanda)
Marcus Mello (Jornalista e crítico de cinema)
Suyene Correia (Jornalista e crítica de cinema)

Júri Oficial da Mostra Nacional de Longas e Curtas Metragens:
Helena Solberg (Presidente do Júri, Cineasta)
Susanna Lira (Cineasta)
Caco Ciocler (Ator e Cineasta)

Júri da Mostra Sob o Céu Nordestino de Longas e Curtas Paraibanos:
Flávio Bauraqui (Presidente do Júri, Ator)
Caio Sóh (Cineasta)
Danny Barbosa (Atriz)

Júri Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema):
Bertrand Lira (Documentarista)
Marcelo Milicci (Jornalista e crítico de cinema)
Suzana Uchôa (Jornalista e crítica de cinema)

 

Maiores informações através da nossa página no Facebook, no Youtube - Canal Festival Aruanda e Instagram; @festaruanda.

Confira a coletiva de imprensa na íntegra:

 

 


Voltar

Parceiros

Fortalecendo o cenário do audiovisual...
Viabilizado por :
Pátria Amada Brasil
Secretaria Especial de Cultura
Lei de Incentivo a Cultura

Patrocínio Master:
 Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho
Energisa

Patrocínio :
Cagepa

Copatrocínio:
Sala 9 Macro XE
Armazem Paraíba

Apoio Institucional:
Funjope
João Pessoa
CCHLA
ufpb

Apoio Cultural:
TVCB
tvculturasp
GovPB
Funesc
Rádio Tabajara
A União
editora A União
EPC - Empresa Paraibana de Comunicação

Parcerias:
Universidade Lusófona
Departamento de Cinema e Artes
Manaíra Shopping
Místika
FórumdoAudiovisualPB
janela 7
Canal Brasil
TVUFPB
Adufpb